Segurança digital: 4 dicas para quem compra ou vende em lojas online

As plataformas de lojas online possuem diversos mecanismos de segurança digital que oferecem proteção aos lojistas e aos clientes

Com o avanço da tecnologia, novas formas de segurança digital foram criadas para que os usuários conseguissem realizar suas atividades com proteção. Quando falamos de lojas online, isso não é diferente.  

Dados indicam que o número de tentativas de ataques virtuais aumentou substancialmente nos últimos anos, mas, na mesma proporção, a criação de softwares de proteção também cresceu, estabelecendo mecanismos para coibir os ataques cibernéticos.   

Ter uma loja online, obviamente, requer dos proprietários cuidados com a segurança dos dados dos clientes. Mas ele não precisa fazer isso sozinho, pois, já existem diversas empresas que oferecem produtos de ótima qualidade e que podem ajudar nessa tarefa. Algumas plataformas de e-commerce, inclusive, já oferecem esses serviços no pacote de assinatura do lojista. 

Hoje, a RSC Inovação vai falar um pouco sobre os procedimentos de segurança adicionais que os lojistas e os clientes devem ter para fazer transações virtuais com proteção. Há ferramentas suficientes para que compras em lojas online sejam feitas com a maior proteção.  

Atualização de sistemas 

Todos os sistemas são estruturados de acordo com a realidade daquele momento. No entanto, em razão das mudanças constantes da tecnologia, conforme o tempo vai passando, os desenvolvedores precisam fazer alterações que melhorem a qualidade e a segurança dos softwares.  

Por isso, sempre recebemos notificações de atualizações nos smartphones e computadores. Elas são feitas de modo a trazer melhorias para o sistema e diminuir a vulnerabilidade do usuário no ambiente virtual.  

Toda vez que uma empresa fornece atualizações de software, é importante que se atualize o sistema para que seu aplicativo esteja de acordo com as configurações que a desenvolvedora inovou.  

Seja um sistema operacional, aplicativo ou certificado digital, não deixe de fazer as atualizações solicitadas para que você evite qualquer problema de usabilidade, configuração ou de segurança digital.  

Fique atento aos pishings 

Em 2020, a forma como os criminosos virtuais encontraram de realizar golpes foi por meio de um ataque chamado “pishing”. Esta não é uma ação nova e ela acontece com frequência por e-mail.  

Os hackers enviam mensagens para a caixa eletrônica, simulando ser uma empresa confiável -ou até o governo-, com links ou arquivos para download, com o objetivo de roubar os dados dos usuários.  

Ao acessar o link ou abrir o arquivo enviado, um malware (popularmente conhecido como vírus) infecta o dispositivo da vítima e acessa todos os dados armazenados naquele aparelho.  

Por se passar como uma empresa confiável, muitas pessoas sentem dificuldade em reconhecer o e-mail como um ataque. Por isso, a recomendação é a instalação de softwares antivírus nos dispositivos.  

Esses aplicativos possuem mecanismos suficientes para bloquear a ação dos arquivos maliciosos e coibir a ação dos criminosos digitais. 

No mercado, há diversos softwares gratuitos e que protegem, com eficácia, os dispositivos e os usuários. Mas, antes de baixá-los, pesquise sobre a procedência e a confiabilidade do antivírus.  

Abaixo, deixamos um vídeo do Google que explica o funcionamento de um pishing e como se proteger adequadamente.  

Use várias senhas  

Que as senhas são proteções, isso todo mundo sabe. Mas milhões de pessoas usam a mesma combinação para acessar vários serviços, como contas de e-mail, contas bancárias, contas em aplicativos etc.  

Em 2019, segundo Centro Nacional de Segurança Cibernética (NCSC), a senha mais usada entre os internautas era “123456”, que, na época, era cadastrada em mais de 2,5 milhões de contas no mundo.  

Esse fato nos levar a crer que, mesmo sabendo da relevância de se ter uma senha para proteger as contas, muitos usuários não investem em combinações que impeça que agentes mal intencionados acessem seus dados.  

cartilha de segurança digital do CELT (Centro de Estudos para Resposta e Tratamento de Incidentes em Computadores) recomenda que os usuários criem senhas fortes e que escolha uma quantidade de combinações razoáveis para fazer o rodízio entre os serviços de que se é assinante.  

Portanto, se você acessa 5 serviços, utilize 5 senhas diferentes para cada um deles. Assim, caso um desses serviços sofra algum tipo de ataque, o criminoso não terá acesso aos seus dados armazenados em outras assinaturas.  

Além disso, normalmente, as pessoas tendem a usar senhas que, mesmo não tão óbvias como a anterior, são consideradas fáceis, como a data de aniversário de um filho, por exemplo.  

O melhor é apostar em combinações consideradas fortes, que são aquelas compostas por letras, números, caracteres especiais e são longas. Usando estas combinações, dificilmente um hacker conseguirá decifrar sua senha. 

Acompanhe suas transações 

Apesar de seguir todas as dicas de segurança digital, o ideal é que se acompanhe todas as transações bancárias direto com a instituição. Desse modo, instale o aplicativo do seu banco e acompanhe as transações realizadas na sua conta bancária.  

Ao identificar alguma operação que não tenha sido feita por você, reporte à financeira imediatamente, para que ela tome as providências e realize os procedimentos de segurança que devem ser feitos.  

Normalmente, este reporte pode ser feito pelo próprio aplicativo, mas, se não conseguir, vá até a agência para obter suporte e mais informações. Se o problema estiver ligado a uma operação realizada em loja online, também informe a situação a empresa para que, juntos, vocês consigam solucionar.  

A RSC Inovação possui um sistema de e-commerce bastante seguro e que está integrado aos mais altos padrões de segurança digital existente no mercado. Fale com um de nossos consultores e saiba como migrar de plataforma

Wesley Santana

Jornalista, redator de Tecnologia e pesquisador de Ciberativismo.

Você pode gostar...