Black Friday 2020: como aproveitar a sexta-feira mais famosa do mundo na sua loja online

Em 2020, a Black Friday acontece em 27 de novembro e antecipa as compras de natal e ano novo

Dificilmente você nunca deve ter ouvido falar sobre a Black Friday. A data promocional que faz tanto sucesso nos Estados Unidos foi importada para o Brasil e hoje já é parte do calendário do varejo aqui no país. 

A origem da data está relacionada às compras feitas depois do Dia de Ação de Graças, que é um dos feriados mais importantes do país. Na época, os comerciantes usavam o vermelho para se referir aos períodos negativos do comércio e o preto aos períodos positivos.  

Já aqui, a sexta-feira ganhou destaque quando as lojas, em 2010, fizeram a adesão e começaram a criar promoções bastante atrativas. Neste período, era fácil ver lojas, como a Magalu, com grandes filas de clientes durante a madrugada.  

Hoje, essa data se estendeu ao restante do mercado e já é usada por empresas de todos os setores, em uma tentativa de promover um clima de descontos e dar aos consumidores boas opções de compras.  

Apesar da crise do novo coronavírus, os números esperados para a Black Friday 2020, que está marcada para 27 de novembro, já são bastante satisfatório e mostram que os brasileiros planejam gastar muito durante o período promocional.  

Segundo dados do Google, obtidos pelo jornal Estadão, o número de buscas por promoções da Black Friday já é superior ao do ano passado, no mesmo período. De acordo com a empresa, alguns termos já estão atingindo recordes de buscas, indicando um crescimento de até 74%, um mês antes da data efetiva.  

Sabendo que neste ano o comportamento do consumidor mudou e tem sido direcionado para compras no e-commerce, a RSC Inovação separou algumas dicas para que você se prepara para a data e consiga aumentar o faturamento da sua loja online.  

Metade do dobro não! 

Muitas empresas perderam credibilidade com o consumidor por serem pegas usando estratégias desonestas na tentativa de aumentar o número de pedidos em suas lojas.  

Um desses métodos é conhecido como “metade do dobro”. Dias antes da Black Friday, essas empresas aumentam o valor do produto e, no dia da promoção, elas os colocam com o preço real e a menção “de tanto, por tanto”.  

Outra tática usada é a de aplicar um preço aleatório, que não representa o real, para impressionar a clientela, o que é um tiro no pé. 

Há dois motivos para que você não use esses métodos. O primeiro é a pesquisa do cliente, que já vai à loja sabendo quanto o produto interessado custa. Então, mesmo que você coloque preços exorbitantes, a maioria dos compradores não vai cair nesta mentira. 

O segundo motivo e mais óbvio é a sua reputação junto ao consumidor. Não é nada legal ver a sua empresa com fama de enganosa junto aos clientes, certo? Além disso, hoje já existem diversas entidades de proteção e defesa do consumidor que podem multar e até fechar o comércio, caso fique provado que você está enganado os consumidores.  

Portanto, ao escolher participar da Black Friday, seja honesto e promova ofertas transparentes para o cliente. É melhor sua loja online oferecer uma promoção com 5% de desconto para 500 clientes do que ela perder esses possíveis consumidores e ainda correr risco de pagar multa por propaganda enganosa.

Planeje seu estoque

O planejamento de uma empresa deve sempre vir em primeiro lugar. Em períodos promocionais, esta questão deve ser ainda mais relevante, pois, por movimentar a economia de um país inteiro, os produtos que você vende podem faltar.  

Para que você não fique na mão e perca dinheiro, tenha o controle do seu estoque. De acordo com um planejamento de promoções, veja quais são os produtos podem ter uma performance relevante para o seu caixa durante a promoção. 

Se preciso, reveja o número de funcionários e contrate alguém para te ajudar exclusivamente neste dia. Este pode ser um custo relativo que, no fim, pode te dar um saldo positivo.  

Fique atento aos golpes

Assim como acontece com os consumidores finais, os lojistas também estão sujeitos a golpes durante o período da Black Friday. Nesse período, os criminosos costumam oferecer promoções chamativas e que, a princípio, parecem boas soluções para ampliar o estoque do empresário, principalmente dos que estão começando agora.  

Por isso, além da dica anterior, para que você não caia em ciladas, sempre desconfie de preços desmoderadas. Pesquise a empresa, consulte os principais órgãos empresariais, veja os sites de reclamação e acesse as redes sociais da marca. 

Assim como você trabalha para ter uma boa reputação diante do consumidor, é esperado que os seus fornecedores tenham a mesma postura. 

Não há nada de errado em você começar um relacionamento com um novo fornecedor. Contudo, tenha certeza da idoneidade dele e da estrutura que ele possui para atender as suas demandas.

Lembre-se que o fim de ano está chegando  

A Black Friday não é a única data de compras no Brasil. No final de ano, por exemplo, entre o Natal e Ano Novo, os brasileiros tendem a comprar ainda mais, pois, gostam de presentear a si e aos pares.  

Sendo assim, use a Black Friday como um pontapé para este próximo período. Com as promoções, conquiste os clientes para que eles voltem a sua loja em outras oportunidades.  

Além de um atendimento adequado, ofereças brindes e cupons de descontos para as próximas compras. Se você vende roupas, ofereça um acessório para quem comprar acima de R$ 100 na sua loja online, por exemplo. 

Se possível, de acordo com a sua estimativa de faturamento, ofereça também o frete grátis. Desta forma, é bem provável que mais internautas se atentem a sua loja e concluam as compras.

Para ter um excelente período promocional, sua loja precisa estar hospedada em uma plataforma de e-commerce apropriada e com suporte para todos os tipos de clientes e pagamentos. E nisso a RSC Inovação pode te ajudar. 

Para conhecer nossas soluções, fale agora com um de nossos consultores. Também nos siga nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades e dicas do setor. 

  

Wesley Santana

Jornalista, redator de Tecnologia e pesquisador de Ciberativismo.

Você pode gostar...